RELEASE

VEJA AS OBRAS EXPOSTAS CLICANDO NO NOME DOS ARTISTAS ABAIXO

Ana Paula Oliveira

Wagner Malta Tavares

Exposição Setembro de 2003Visitação Seg a sex das 10 às 19hs  / Sab das 10 às 17hs

Ana Paula Oliveira e Wagner Malta Tavares - individuais simultâneas na galeria-virgílio

Ana Paula Oliveira e Wagner Malta Tavares dividem ateliê desde 1999, onde fizeram exposições do grupo olho seco. Em 2001, inauguraram a galeria 10,20X3,60 www.dezevinte.com.br. Vêm trabalhando juntos por todo esse tempo e nem por isso seus trabalhos têm semelhanças formais, parecem até diametralmente opostos a primeira vista. As semelhanças, no entanto, existem e se dão na questão ética da produção artística e na forma de pensar a arte. Agora nas individuais simultâneas que apresentarão a partir de 10 de setembro na galeria-virgílio em São Paulo, ocupando andares diferentes, o público poderá estabelecer essas relações a sua maneira.

Em sua nova exposição - reator de dobra - na galeria-virgílio, Wagner Malta Tavares apresentará uma instalação, cinco esculturas e um relevo de parede. Nos quase 400 metros quadrados do segundo andar da galeria, o artista apresenta quem pode fica em pé/quem quiser que se deite e dá continuidade aos trabalhos estalação e catapulta, apresentados respectivamente no galpão 15 em novembro de 2002 e na galeria do SESC-Avenida Paulista em abril de 2003. A instalação é uma espécie de relevo que pode ser penetrado, de aproximadamente 4 metros de altura por 20 de comprimento. Aqui, acrílico colorido, granito, mármore, gesso, madeira, E.V.A., zinco, cobre e ferro relacionam-se e criam situações inusitadas. As esculturas são feitas com os mesmos materiais, mas com combinações diversas, ora acrílico e granito, ora zinco e granito, ou mármore e madeira. Nesta nova série, Wagner atenua a dureza de formas rígidas e geométricas com cores e materiais tencionados que, por meio de curvas e intersecções, expandem a ação dos planos e denotam movimento e força. Parece que algo vai se libertar.

Em meados de 2002, Ana Paula Oliveira apresentou sua individual no Centro Cultural São Paulo. Utilizou as estruturas de madeira das divisórias do local de exposição e preencheu algumas partes de graxa até seu extravasamento. Em fevereiro de 2003, no Centro Universitário Mariantonia, na sua mostra intitulada diadema, a artista manteve suspensas grandes massas de graxa, que sustentadas por tábuas de madeira junto à parede foram presas por cunhas.

Na galeria-virgílio, na ocupação que ganha o nome pau de fitas, Ana Paula sustenta e pressiona na horizontal, entre o pilar central do salão e a parede, duas vigas de madeira com uma engrenagem de ferro. No mesmo local, uma coluna vertical feita com várias ripas de madeira unidas por sabão, é inclinada por uma cunha de mármore. Logo na entrada da galeria estão outras três esculturas feitas com largas placas de madeira, grandes massas de argila negra e vergalhões. Outras peças em vidro, argila, madeira e cintas de aço, encontram-se cravadas na perede.



Wagner Malta Tavares, paulistano - hoje com 38 anos - começa a dedicar-se ao desenvolvimento de seu trabalho de artes plásticas em1997. Nos primeiros anos de sua carreira tinha seu trabalho voltado quase exclusivamente para a performance. Teve seu trabalho mostrado pela primeira vez no final de 1998 na FUNARTE/SP com a performance passeio. No ano seguinte, no ateliê Daora Brandão, já com Ana Paula Oliveira e o grupo olho seco, mostra as performances fumaça e turmalina. No mesmo ano realiza no Campo Nanim, em Veneza, uma intervenção em escultura pública.

De volta ao Brasil em 2000, o artista faz ainda um grande passo para mim, um pequeno passo para a humanidade, no Núcleo de arte contemporânea do MAM/SP, e paracildo no MuBE/SP - ambas performances. É selecionado para o programa de exposições do CCSP e, nesse momento, Wagner Malta Tavares começa a misturar suas experiências anteriores com trabalhos formalmente mais definidos. No final de 2000, realiza a instalação sursum corda na Capela do Morumbi, em São Paulo.

Em 2001, Wagner cria a 10,20 X 3,60, uma galeria concebida e gerida pelo artista e por Ana Paula Oliveira que, sem ter fins lucrativos e aberta para experimentações, conta com o apoio de nomes importantes das artes plásticas, tanto artistas quanto críticos. Nos anos seguintes, participa de inúmeros salões em vários estados do país e realiza diversas coletivas: Extensão - com coordenação de Laura Vinci, Iniciativas - no CCSP, primeiro festival de performance da 10,20, coletiva olho seco no MARP, Galpão 15, e as individuais catapulta, no SESC/SP e agora reator de dobra na galeria-virgílio.


Ana Paula Oliveira - Uberaba - MG, 1969

2003
MARP - Museu de arte de Ribeirão Preto, SP - coletiva
Centro Cultural Mariantonia - individual, SP

2002
Salão de Arte Contemporânea de São José dos Campos - coletiva, SP
Salão de Arte Contemporânea de Piracicaba - coletiva, SP
Horizontes transitórios, paisagens alteradas - Museu da Cultura de Sobral, CE - coletiva
Genius Loci - Faculdade de Sociologia e Política, SP - coletiva
Selecionados 2002 - Centro Cultural São Paulo, SP - individual - prêmio aquisitivo
Extensão - 10,20X3,60, SP - coletiva
Selecionados 2002 - Centro Cultural São Paulo, SP - coletiva

2001
Sóror Carmem - Capela do Morumbi, SP - individual
10,20 X 3,60 - inauguração, SP - coletiva
Projeto Instalação - MUBE - Museu Brasileiro de Escultura, SP - coletiva

2000
Performance - Discurso - Núcleo de arte contemporânea do MAM/SP
Edital de agendamento 2000 - MACC - Museu de Arte Contemporânea de Campinas "José Pancetti", SP - coletiva
INICIATIVAS -Centro Cultural São Paulo, SP - coletiva
CORPÓ- Museu do Ingá - Niterói, RJ - coletiva

1999
Olho Seco- Ateliê Daora Brandão, SP - coletiva
MuBE - Museu Brasileiro de Escultura - coletiva, SP
CORPÓ- Ateliê Alexandre Menossi, SP - coletiva

Mais informações: Ana d'Arce
11. 5093 8846 e 9295 5026 ana.darce@uol.com.br

rua dr. virgilio de carvalho pinto 426 pinheiros - 05415-020 são paulo sp - (5511) 2373-2999